Documentário conta como a Bolívia se tornou um país livre do analfabetismo

bolivia - felipe abreu 01

Fotos: Fellipe Abreu

Filme produzido por brasileiros mostra a transformação que programa educacional promoveu na vida dos bolivianos

Carolina Mainardes

A emoção tomou conta de Fellipe Abreu e Luiz Felipe Silva quando estiveram na Bolívia, em 2014, para fazer reportagens a respeito do programa de alfabetização Yo Sí Puedo. Baseado no método cubano, a iniciativa foi responsável por tornar a Bolívia livre do analfabetismo. Depois de conhecer de perto a população envolvida no projeto e a mudança de vida que o fato de aprender a ler e escrever representa para essas pessoas, os produtores abraçaram a ideia de produzir um documentário. Para isso, voltaram outras duas vezes ao país e recentemente lançaram uma campanha de crowdfunding (financiamento coletivo), com o objetivo de arrecadar verba suficiente para concluir o filme. “A gente simplesmente se apaixonou pelo projeto”, comenta o jornalista Fellipe Abreu, em entrevista ao Radar da Educação. “Ver aquelas pessoas, algumas com 80 anos ou mais, com o caderno nas mãos calejadas, foi realmente impressionante”, acrescenta.

Curta o Radar da Educação no Facebook

Siga o Radar da Educação no Twitter

Para realizar o documentário Yo Sí Puedo, os produtores acompanharam cinco grupos de alfabetização na Bolívia, entre setembro de 2014 a fevereiro de 2016. O documentário conta de perto a história da professora Keyla Guzmán, que batalhou quatro anos para ter seu método de ensino aprovado pelo Ministério da Educação: Keyla leciona para 26 alunas e um aluno no Mercado Rodriguez, espécie de feira popular localizada no centro de La Paz. A professora iniciou com a alfabetização e atualmente está perto de concluir o programa Yo Sí Puedo Seguir, continuação do projeto que equivale ao ciclo primário do sistema educacional boliviano – para crianças, dura seis anos; para adultos, dois. O filme retrata também a realidade das aulas em dois grupos camponeses. Em um deles, as aulas são bilíngues, em espanhol e quéchua (língua indígena falada por alguns povos da América do Sul), em outro, há classes profissionalizantes, que mesclam a prática de artesanato e malharia com a educação formal. “Além destes, estivemos em aulas de grupos de deficientes físicos, como Mirian, e de jovens com síndrome de Down, como Jorgito. Por fim, entramos na prisão de Miraflores para passar um dia acompanhando aulas que os presidiários têm, com o objetivo de recuperar suas vidas”, explica o jornalista. Produzido de maneira independente por seus autores, o Yo Sí Puedo foi planejado para ser publicado de maneira grátis e aberta na internet, em versões para português, espanhol e inglês. Para conhecer mais da campanha e contribuir, clique aqui: partio.com.br/projeto/yo-si-puedo. Abreu considera que “o grande legado [do programa de alfabetização] é fazer com que uma geração já velha passe a se importar com educação e deixe isso para as próximas gerações”.

 bolivia - felipe abreu 02

Livre do analfabetismo

Para a Unesco, uma nação se torna livre do analfabetismo quando a taxa de não-alfabetização está abaixo de 4%. Em 2014, a Bolívia atingiu 3,8%. Hoje, o índice é ainda menor, 2,9%. Isso significa que mais de um milhão de bolivianos adultos aprenderam a ler e escrever nos últimos dez anos. Desse total, cerca de 40% têm mais de 60 anos e 70% são mulheres. Isso se deve, principalmente, à falta de dinheiro das famílias que historicamente vivem em áreas rurais do país e ao antigo sistema educacional da Bolívia, que até 1952 não era universal.

Veja o teaser do documentário Yo Sí Puedo:

Obrigado pelo seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s